15 de março de 2004
A Terra pulsa

Bem que eu já tinha reparado que o tempo estava indo rápido demais. "Você é que muito ansioso", me diziam uns; "Apressadinho...", me diziam outros - ainda que um monte de amigos compartilhasse a mesma impressão de que o dia mal dava para tudo que a gente precisa ou deseja fazer. Mas, esta semana recebi um e-mail (que, depois descobri, reproduz, sem indicar a autoria, um texto do teólogo Leonardo Boff) afirmando que o tempo está mesmo andando mais depressa.

Tudo por conta de uma tal de "ressonância de Schumann" que, apesar do nome, não tem nada a ver com o compositor. O Schumann em questão é um físico alemão que, em 1952, descobriu que a Terra possui um campo eletromagnético que vibra a uma freqüência de 7,8 hertz por segundo. De uns tempos pra cá, essa freqüência começou a subir e já estaria em algo em torno de 11 hertz. Exatamente por conta disso, nós humanos (que, a exemplo de outros animais, também vibramos na mesma freqüência) estaríamos percebendo o tempo passar mais depressa. Só para o leitor ter uma idéia, as 24 horas do dia estariam equivalendo hoje a apenas 16 horas.

Pois é, como se já não bastassem os impostos e os juros ainda estão nos roubando o tempo - nosso único bem verdadeiramente não-renovável, porque o resto a gente até recupera. E, como se vê, não estão roubando pouco: 1/3 do dia - ou 30%, em números redondos, percentagem de fazer corar até político ou banqueiro. Corar de alegria, claro.

Já deve ter gente pensando em deixar de dormir para tentar compensar as horas perdidas. Os patrões, por seu lado, já têm aí um argumento para os salários que pagam - isso se não resolver reduzi-los na mesma proporção das horas.

Como Leonardo Boff é ligado ao PT, acredito que a notícia tenha sido bem recebida no Planalto. É uma boa justificativa para a lentidão do governo: descontado o "efeito Schumann", o governo Lula ainda nem teria completado um ano.

O perigo é Lula, agora tão íntimo do Sarney, começar a ter idéias. Já pensou se ele, inspirado no ex-presidente e senador pelo Amapá, resolver, por conta do "efeito Schumann", pedir mais um ano de governo, passando de quatro para cinco o seu mandato? Melhor nem pensar nisso...

O que importa mesmo é saber que a tal ressonância Schumann equivale a algo como a pulsação da Terra. Sim, a Terra pulsa - como todo ser vivo. E, se a pulsação subiu, é porque ela está nervosa. Insatisfeita. Infeliz. E não deve ser por causa dos passarinhos...

* * *

Falando agora rapidamente sobre Schumann, o compositor... Quem puder e souber, baixe na Internet, no formato mp3, uma pequena peça composta por ele chamada "Romance". Curtinha como qualquer música popular contemporânea, é das coisas mais lindas que eu já ouvi... Aliás, aproveite e baixe também "Ruby my dear", de Thelonius Monk. Ouça as duas e depois me diga se o jazz não é o casamento da Alemanha com a África...