Entrevista com Amy Klink

“Eu descobri o mar lendo. Se não fossem alguns livros, eu estaria com cracas nas canelas de tanto andar à beira-mar, em Paraty. Não teria ido a lugar nenhum. Eu tinha trauma do mar. Uma vez meu pai levou a gente ao Guarujá e eu tomei uma onda na areia… Foi só através dos livros que me interessei pelas viagens marítimas”.

Só por essa declaração surpreendente já valeria ler a excelente entrevista de Douglas Portari com Amyr Klink. É isso, aliás, que distingue o bom repórter (e do bom entrevistador): o talento – e, porque não, a sorte – de surpreender o leitor com um ponto de vista (não confundir com opinião!) diferente, inusitado sobre um tema que aparentemente nada mais poderia oferecer de novo.

É uma lição de vida saber que a saga de Klink é sobretudo a vitória de um homem sobre os seus temores mais íntimos.

Para ler a entrevista clique aqui.

2 Comentários

  1. Como eu disse antes, generoso… agora, Antonio, sem o ^, cabe uma explicação. Quando ele soltou a frase eu saltei na cadeira com aquele pensamento ‘puta aspas, tô feito’. cheguei em casa e fiz uma pequena pesquisa em cima disso e encontrei um artigo que ele próprio fez pra Folha dois dias antes… onde dizia exatamente o mesmo! como ele conta essa história no primeiro capítulo do novo livro, fiquei meio desapontado. vale porque é verdadeira, só não fui o primeiro a divulgar essa ‘descoberta’ e, sim, o próprio Amyr. Abs!!

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.