A falácia do aquecimento global

“Aquecimento global é um processo natural, diz climatologista

É desperdício de tempo e dinheiro combater o aquecimento global e previsões catastróficas como as do relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) da ONU, defendeu nesta terça-feira o climatologista Timothy Ball, estudioso do tema há 30 anos. Em entrevista ao GLOBO ONLINE, ele criticou as conclusões do estudo divulgado na semana passada, segundo o qual o aumento das temperaturas na Terra é “muito provavelmente” causado pelo homem. Para Ball, as alterações no clima são um processo natural, em que as emissões de dióxido de carbono têm pouca influência.

– O dióxido de carbono não é um gás poluente. Ele tem conseqüências positivas, na verdade. Quanto maior sua concentração na atmosfera, maior o crescimento das plantas. A atividade do Sol é o principal fator que afeta o clima no planeta, mas quase não é mencionada – afirmou o especialista, que é Ph.D em Ciência da Universidade de Londres e ex-professor de climatologia da Universidade de Winnipeg, no Canadá.

De acordo com Ball, as variações de intensidade do Sol explicam períodos como a última Era do Gelo, quando a Terra era, em média, cinco graus Celsius mais fria do que hoje. O climatologista lembrou ainda que, no início de sua carreira, a maioria dos cientistas temia um “resfriamento global” no futuro.

– Isso prova que um consenso não é necessariamente um fato científico – disse.

Segundo ele, há inclusive cientistas na China, na Rússia e nos Estados Unidos que prevêem que as temperaturas vão cair até 2030, devido a uma redução da atividade solar. Ball justificou o silêncio dos especialistas que defendem esta teoria:

– Eles têm medo de se expressar, são acusados de receber dinheiro da indústria do petróleo. Eu mesmo já fui alvo de ataques pessoais.

O climatologista admitiu que a teoria de que o aquecimento global é um processo natural pode ser usada por governos pouco comprometidos com o meio ambiente. No entanto, segundo ele, “não dizer a verdade pode ser muito mais perigoso”.

Na opinião do cientista, em vez de focar num problema que não poderão resolver, os governos deveriam investir em reduzir a poluição do ar e da água. Ele afirmou que um dos problemas mais graves atualmente é a erosão do solo, que pode deixar milhões de pessoas sem alimentos.

– Países como Brasil, Índia e China deveriam se preocupar com esta questão – disse.”

Mayumi Aibe, O Globo Online, 06/02/2007