O debate sobre a censura prévia no Roda Viva

A mim, o que mais irritou foi ver o tal José Gregori repetir – como se isso fosse um argumento!! – que ele, há sete anos!, conversou “pacientemente por um ano e meio” com as emissoras e não obteve os resultados que esperava. ora, e eu com isso? O fato do tal Gregori não ser reconhecido como um argumentador competente nos obriga então a aceitar essa maluquice de censura prévia como uma espécie de castigo? O problema então para o tal Gregori é entre ele e as TVs?

Me impressionou também a dificuldade do menino Romão em ser contrariado. Dificuldade que era evidentemente proporcional a sua dificuldade de verter em palavras seus pensamentos. Ou seja: é mais uma daquelas pessoas que esperam ser entendidas imediatamente por um simples olhar, um gesto ou uma frase mais ou menos vaga e caprichosa.
Não estranha que insista tanto na palavra algo esotérica “indicativo”. Ele quer legislar por “indicativos”, metáforas, sinais. Aparentemente, o menino Romão é candidato ao lugar do beato homônimo e quer mesmo é fundar uma teocracia.