Ainda sobre a crise imobilária americana

Quando leio que a crise financeira “pode afetar a economia real”,eu, do alto da minha ignorância econômica, fico pasmo. Como “pode” se tem gente perdendo suas casas e tendo que recomeçar do zero? Bancos “torrando” essas casas no mercado à vista para pagar o dinheiro emprestado (sim, emprestado!) pelos BCs? Gente raspando a poupança para comprá-las? Então parece óbvio que a crise (que não é meramente financeira) já afetou e muito a dita “economia real”. E vai diminuir no médio prazo a oferta de dinheiro no mercado mundial.

Aliás, essa distinção que opõe “mercado financeiro” e “economia real” me parece falsa e burra. A economia real se move a crédito, ora. O brasileiro só depois do Real descobriu o que é crédito. Mas ainda não aprendemos a “confiar nos bancos”, quero dizer, no sistema bancário, ou melhor ainda, no sistema qe oferece e administra o crédito. Gostamos do crédito, mas odiamos as punições previstas aos inadimplentes. “Quem não paga, perde o bem” é uma regra dura, quase monstruosa, mas é ela que garante a segurança do sistema, vale dizer, os juros baixos e os prazos longos.