A guerra dos browsers

O Opera continua imbatível em todos os aspectos – menos um: trabalha mal com sites criados em… desculpe, me fugiu a extensão proprietária da Microsoft!

O Firefox – ao menos o ultimo que baixei – tornou-se estrnhamente lento. Muito lento. Algo inacreditável.

O IE7 é razoável e essencial para acessar bancos e tudo que diga respeito direta ou indiretamente à Microsoft – do site deles a extensões proprietárias. É disparado (com o perdão do trocadilho) o mais lento.

O Chrome é simpático e realmente muito, muito rápido. Mas ainda é um esqueletinho – não é possível sequer mexer em suas barras, alterando a ordem padrão. Eu, por exemplo, gosto das guias ou tabs logo acima da janela de navegação e não posso prescindir da barra ou moldura superior. Ou seja: eu gost que todos os meus navegadores tenham mais ou menos a mesma aparência, por conta de outros programas que uso.

Sim, eu uso todos esses navegadores e ainda outro, que acho ótimo: o Flock.

Mas o meu navegador de guerra é o Opera. Junto com o Dreamweaver são, na minha opinião, os dois programas que alcançaram o que chamam de “state of art” – quero dizer, um “padrão artístico” onde além de atender a todas as necessidfades que se poderiam esperar do programa, ainda se consegue um padrão de beleza e funcionalidade ideal.