O tamanho da crise

Publiquei o post abaixo no dia 17,mas tirei do ar porque falo em tesouro em vez de FED, quando na verdade, constatei depois que a intervenção na AIG teria sido feita pelo FED. OK, foi mesmo feita pelo FED, mas com o aval explícito do Tesouro – bem diferente, portanto, de outras ações do FED, que é autônomo e privado.

De todo modo, o espírito do texto é correto:

“É de fato uma contradição. Uma contradição no sentido formal, literal.

Não se sei se toda medida é um símbolo, mas uma seguradora quebrar é uma medida da desconfiança que ameaça o sistema. “Nem as seguradoras são mais seguras” é trocadilho do mês. Por isso, a “contradição liberal” é também um símbolo, um sinal de que há uma preocupação com a credibilidade do sistema.

Na prática, deve ter havido uma pressão internacional também, dos outros bancos centrais, para que o Tesouro – ou seja, o próprio estado americano – entrasse na jogada. Numa crise dessas não pode deixar quebrar a maior seguradora do mundo. Imagine a insegurança!”