De portas e ventos

O vento é a alma invisível do mar. O amor é o mar; nós somos o vento.

Não duvide nunca que você ama. O amor, como o mar, nos abarca, imenso, e perde-se para além de nossa vista. Ambíguo e imprevisível, o mar, como o amor, ora nos encanta com sua calma, ora nos assusta com sua fúria. Ora é ciúmes, ora é compaixão; ora é medo de perder, ora é quase indiferença. Mas é amor sempre – sem que lhe saibam o fim, sem que lhe conheçam a origem.

Deduzimos do ritmo de suas ondas, que o mar como o amor, se contrai e dilata, e intuímos que seja incessante espelho do universo. E então por um instante me convenço que a lei do mundo é o amor: está escrito no mar, está escrito no vento.

Amemos, pois: nada nos resta senão amar. Amar o melhor possível com toda a força de nosso vento.

Porque o vento é alma invisível do mar e somos nós o vento, o vento que torna incerto o mar.

Deixo aberta a porta e que venha você o vento me matar a saudade do mar.

6 Comentários

  1. Texto muito bonito, mesmo! O vento torna o mar imprevisível, como imprevisível é o homem que ama. Homem = vento + Amor = mar. Resultado: Um oceano sujeito a calmarias, ondas e tempestades.

  2. Oi, Antonio! Ganhou mais uma fã, viu? A Ana Carolina. Pois é, fica colocando esses textos no blog, como disse a tua amiga, vai formar fila… Hahaha!Beijos

  3. Antônio! Mal chego aqui e me deparo com um texto bonito desse! Que lindeza!Vou te linkar lá! Vamos nos falando! Beijos!

  4. “Deixo minha porta aberta e que venha você o vento me matar a saudade do mar”Texto lindo mesmo! Mas o último parágrafo…Vai formar fila na porta. Providencie as senhas.

  5. O amor é o encontro de todas as sensações ou uma única em todas. Nem sei!Lindo texto.Psiuuuuuuuuu, esse texto acaba com um convite?………..rsBom domingo.beijo…………..Cris Animal

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.