Sobre Honduras

Em toda essa onda em torno de Honduras, há um suposto “revolucionário” idiota e perigoso: de que todo poder constituído é corrupto e ilegítimo. O manual de auto-ajuda do coronel Chavez tem servido de modelo para um roteiro de violações ao sistema democrático: no caso, independencia e mútua limitação dos Poderes e alternancia de poder.

O manual do coronel opõe povo e poder e institui qualquer um que adira ao programa de auto-ajuda do coronel Chavez o papel de condutor desse povo.

Idiotas repetem insistentemente que a “consulta ao povo” era desinteressada e legítima. Quem crê no “desinteresse” de Zelaya sabendo por provado que Mr. Z era um discípulo do coronel Chavez é um um idiota irrecuperável. É das tais “vítimas da propaganda”.

Quem ainda se interroga sobre a legitimidade talvez tenha recuperação. Tentemos.

Mr. Z foi “demitido” pelo Congresso com apoio da Suprema Corte porque tentou obrigar o Exército a realizar a tal consulta na marra, depois dela ter sido rejeitada pela Suprema Corte (instância máxima do Poder Judiciário) e pelo Congresso (instância máxima do Poder Legislativo), amparados nas cláusulas pétreas da Constituição hondurenha, que proíbe, sob pena de “demissão” e inelegibilidade por 10 anos, a promoção da reeleição.

Os milicos cumpriram a ordem judicial com a estúpida eficiência de sempre.

“Cláusulas pétreas não podem ser mudadas?” pergunta o inocente útil com ar malicioso, querendo insinuar, claro, que exatamente essa cláusula pétrea expõe de modo cabal a má intenção daqueles que fizeram e agora defendem a Consituição. Primeiro, ignoram a história dessa cláusula pétrea que apenas reforça e limita um dos pilares da democracia clássica, a alternância do poder. Ignoram que ela está ali para evitar que ditadores vagabundos como o coronel Chavez e seu modelo o comandante Castro se eternizem no poder, tornando-o hereditário, como em Cuba, exatamente porque Honduras padeceu anos na mão desses demiurgos de folhetim.

Honduras e sua Constituição têm uma história, enfim. Essa clausula petrea teve um efeito tão renovador e estabilizador que o pais viveu o ultims 30 anos em democracia.

Agora, respondendo a pergunta: claro, que mesmo clausulas petreas podem ser mudadas. Mas exige-se muito mais que um Zelaya para isso. Seus 25% de aprovação – aferíveis nas pífias manifestações em louvor a sua volta – não o habilitam a tanto.

E aqui, mais uma advertência aos inocentes úteis: não argumentem falando em repressão policial. Assistimos a revolta dos iranianos contra a fraude eleitoral promovida pela Fera de Teerã. A despeito, aí, sim, da brutal repressão da polícia e das milícias da Fera de Teerã, que matou e prendeu milhares de pessoas, os cidadãos continuaram nas ruas por mais de uma semana. Get the picture? Fotografou? Compare agora com as manifestações hondurenhas. Isso. Olhe para uma, olhe para outra. Olhe para uma.. Olhe para outra. Agora vá pensar um pouquinho e retome a leitura.

Enfim, mesmo cláusulas pétreas podem ser revistas, mas elas se inscrevem em outro tempo, digamos assim, o tempo da ancestralidade. Não se muda assim, exige uma forte mobilização popular que leve o Legislativo a uma adesão a reforma de mais de 2/3. E por aí vai…

Não é assim qualquer Zelaya que faz isso, apenas porque aderiu ao programa de auto-ajuda do coronel Chavez.