Critério de avaliação do futuro de um povo

Acho um bom critério para se avaliar o futuro de um povo a “tradução” das teclas de atalho.

Se o povo “traduz” Ctrl+A (select all) para Ctrl+T (selecionar tudo) a chance de nao dar certo é muito, muito grande porque revela xenofobia – que é o entrave mais profundo ao comércio – e todo mundo sabe ou devia saber que é o comércio a chave da riqueza e da civilização.

E digo “povo” ou “país” pq é no coletivo mesmo. Ninguém reclama! Ninguém vê nisso uma expressão de burrice. Talvez haja até quem exalte ( o Aldo Rabelo certamente).

Mais uma vez: Ctrl+A para selecionar tudo não é uma “informação  semântica”,digamos assim, ou um conjunto de caracteres carregado de significado como “casa”. É simplesmente algo tão aleatório quanto uma senha, uma convenção pura e simples.

Claro! Nesse momento o imbecil salta e vocifera: “Não! Ctrl+A significa “select all” ou “selecionar tudo”, em português”. E ele, como bom imbecil, diz “significa” de boca cheia.

Não percebe, o imbecil que essa relação não é necessária, mas puramente arbitrária, tão arbitrária que o criador optou pela associação mais óbvia. mas bem poderia ter escolhido outra letra.

Mas o imbecil, cevado no cocho marxista, crê que há nisso uma intencionalidade, uma verdade oculta, um instrumento deliberado de  dominação – enfim, para ele nada é o que é, tudo precisa ser “traduzido”.

Ele crê que há, enfim, um significado que precisa ser traduzido e, pior ainda, crê que essa “trdução” é uma “fudamental afirmação de soberania” ou qualquer coisa assim.

Um povo que se permite isso não tem futuro.

Ou melhor, para ter um precisa “desfazer” esse encantamento. “Desfazer” aqui no mesmo sentido que o verbo tem numa roda de jongo.

Roda de jongo? Pois é…