vida poema

Minha vida não daria um romance. Minha vida daria um poema.

***

O que me conta não são as histórias da minha vida, que nem são tantas, mas a intensidade com que vivo o ínfimo e quase invisível cotidiano meu, tão comum, nada heróico e até um pouco mais pobre –  minimalista, se quiser ser moderno, zen, se pretender  parecer eterno. Eu gosto de solidão e silêncio, imagine…

***

Um poema ou uma crônica, podia ser minha vida.

***

Acho que por isso gosto tanto da crônica como gênero.

O fato de ser “jornalística” a obriga à prosa realista. Ao mesmo tempo, ela é, por definição, poética. Como se fosse um “outro tipo de jornalismo”, sem perder esse “compromisso com a verdade”, com a realidade, a coisa da rua, do dia-a-dia, que aproxima a crônica da fotografia, do flagrante, de achar a intensidade do ínfimo, a poesia do comum – em contraste com as intenções épicas das grandes narrativas.

***

E se não é a rua, é o rio que corre dentro de nós, com o perdão da falcatrua literária do trocadilho. O cronista vai do ínfimo da rua, ao íntimo de si, mas sempre intentando a clareza, o entendimento do leitor.