conversando com as moscas…

eu já tinha reparado que era possivel espantar baratas e formigas com falando alto e firme, mas nunca antes tinha conversado com uma mosca. Foi muito interessante. A mosca pousou na mesa a um palmo dos meus olhos…. Não gosto de moscas, por um preconceito medieval que me veio por minha minha mãe de incontáveis gerações anteriores.. Mas resolvi do nada conversar com essa com voz mansa, amável, carinhosa. A mosquinha ficou quieta, foi se acalmando e se interessando mais, se virou pra mim e de vez em quando esfregava as patinhas da frente como quem diz sim, ou algo assim… Disse a ela que andava impaciente com formigas e mosquitos e que detestava moscas, mas que reconhecia que já era tempo de me reconciliar com a Natureza em seus minimos detalhes (ela esfregou as patinhas) afinal, somos todos seres vivos, e não é possivel que eu acredite que uma mosquinha tão simpatica possa me fazer mal ou eu a ela. E assim nessa conversa, a mosquinha foi ficando mais e mais aconchegada à minha voz, e quando fiz uma pausa ela deu um voo em circulos abrangendo todo o campo dos meus olhos e aterrissou no cinzeiro em busca de migalhas. Eu então vim contar esta historia e talvez o ruido do teclado ou a ausnecia da voz a fizeram partir…