infinitesimalitude!

“A letra mata, mas o Espírito vivifica” significa que a questão toda não está na obediência à lei, mas no espirito, na intenção com que vivemos? Haveria em cada homem um cerne inacessível a tudo e q tanto pode se mostrar quanto se ocultar por detrás das obras e das palavras. Um cerne que se realiza ou se oculta na vida. Um cerne que é ou não é na vida.

Haveria entre esse cerne e a vida uma tensão que é exclusivamente humana – o que nos distingue e aparta, o que nos faz sentir unos com o mundo e/ou absolutamente singulares, vale dizer, radicalmente sós – em nossa insignificância ou melhor, em nossa infinitesimalitude (que palavra!)