antonio caetano por ele mesmo

eu sou um personagem de hopper que sonha quadros de magritte

não sou alexandre, sou diógenes

e eu diógenes, tomando sol na minha lage,

eu sei, eu sinto: o sol nasce pra todos

eu ponho o sol na minha cama

eu prometo absurdos em teu ouvido

mas

você

lunar

oceânica

você me escapa

vaga

entre os dedos

(mas eu sou diógenes, não sou alexandre, eu tenho o sol em minha cama)

5 Comentários

  1. Gostei das palavras porque “vaga” é também “onda” e remete ao ritmo gostoso do texto. Tudo a ver com lua e oceânica, de ser quem se é. Muito bom, Sir!

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *