Não chores por mim, Dunguistão!

Hoje foi um anão, o Dunga. Amanhã vai outro, o Mestre.

Pela Argentina eu não torço – apesar de ter amigos queridíssimos argentinos. Sinto muito, queridos, mas futebol é rivalidade. Agora torço por quem não tem título. E entre Holanda e gana meu coração balança!

Do outro lado, torço por Alemanha e Espanha, com Espanha passando à final com… Holanda ou Gana, meu coração balança. Mas Holanda. Torço pela Holanda, essa atenas boreal, liberal e aberta até hoje como deve ser um porto de comerciantes de todo mundo. A Holanda de Espinosa e Descartes. Dos fundadores de Recife e Nova Iorque, de grandes navegadores e comerciantes. A Holanda é uma simpatia, todo mundo sabe. Porque, desconfio, seja exatamente isso, um país de comerciantes e não de guerreiros ou sacerdotes.

* * *

Vendo o golaço de Forlan – que o narrador babaca insiste em atribuir à Jabulani! – lembro: o Dunguistão não tinha um batedor de faltas!