a minha fé

“Senhor, eu não sou digno que entreis em minha casa, mas dizei uma só palavra e minha alma será salva”.

Essa é minha fé. Eu, como o centurião (?) intuo que tu és Deus. Eu, inexplicavel e imerecidamente – e isso é o mais espantoso! – eu sei que tu és Deus, que Deus está aqui: “Ele está no meio de nós”.

E então eu sei o que sou. Finalmente eu sei: humano, finito e ínfimo. Mas eu, esse quase nada, eu sei que tu és Deus. Eu sei. E que eu saiba é o mistério.

Essa a minha fé.