patrocínio + cândido


Acabei de escrever um projeto q me custou meses. Dá um vazio quando acaba. Um sentimento de “e agora?”misturado com nao sei bem o quê, um sentimento da inutilidade, ou melhor, da vanidade de tudo. Uma coisa bem Salomão Pessoa, meio Eclesiastes, meio Tabacaria.

Eu estou apaixonado por duas figuras: João Candido, o Almirante Negro, e o centurião anônimo que em Mateus diz a Jesus: “eu não sou digno q entreis em minha cas, mas dizei uma só palavra e minha alma será salva”. Não é bem a alma, eu já sei, é o servo. Ele pede pelo servo. Ele vai lá pedir para o servo. O centurião sabe q Jesus é Deus. Ele não sabe como sabe, mas sabe. Já pensou q angustia? Vc, o centurião filho da puta, SABE. “Por que logo eu?” – se eu sei que não é por merecimento. E é isso que torna tudo um mistério. Esse é o mistério.

E o João Candido por não sei quantos dias comandou a maior esquadra do Atlantico sul. Comandou mesmo, de fazer manobras, bombardear o Rio e sair da baia para desafiar o resto da frota para um combate em mar aberto. Ninguém apareceu. Se ele encrespasse teria de vir da Europa ou da America uma frota para derrota-lo, pq por aqui não tinha páreo para o Minas Gerais e o São Paulo.

Isso foi no fim de novembro. Um mes depois, estavam todos mortos, com exceção de João.
Assassinados pela Marinha – primeiro, confinados amontoados numa cela exígua cavada na rocha e untada de cal, asfixados aos poucos no dia de Natal. E o que sobrou, fuzilados no caminho para o degredo no Amazonas.

O degredo no Amazonas é outro fascinio meu recente. A Amazonia foi a nossa Sibéria;

Repare na foto: é José do Patrocinio, de terno, dandi na selva, e mais uns “dissidentes” deportados para o Amazonas por Floriano Peixoto.

É incrível que, como homens como Patrocínio e João, inventem dos negros adorar Zumbi, de quem não se sabe nada. Zumbi é uma invenção branca. Patrocínio e João são gente real. Por isso intimidam. Patrocínio era monarquista, talvez porque desconfiasse que a República acabaria sendo o que foi, uma ditadura militar. João chegou a sair por aí gritando anauê com Plinio Salgado, mas logo se desencantou. De Zumbi não se sabe nada. Zumbi é mais plástico: como não é nada, pode ser qualquer coisa.