ônibus no rio

É óbvio que não é por burrice que não se institui no Rio de Janeiro o conceito de “baldeação” no sistema de ônibus. É inacreditável que ainda existam coisas como “Cosme Velho – Penha (circular)”. Quem passa pela Avenida Copacabana à tarde se impressiona com a quantidade de onibus – e vazios ou quase. cada um indo para um lugar específico talvez apenas no quarto final da viagem. Eu moro numa região da zona sul que comporta os seguintes bairros: Catete, Flamengo, Glória, Laranjeiras e Cosme Velho. Há quatro “circulares” servindo a região na direção Zona Sul. Ou melhor, oito: porque em cada linha, há um que vai via Copacabana e outro que vai via Leblon. Obviamente, “na volta” o via Copa passa pelo Leblon e vice-versa. O que acontece? Eles logo se encontram e se atrapalham por mais de 2/3 do caminho. O conceito da “linha direta” é coisa do tempo em que havia bairros isolados e linhas não-integradas.