O amor

“[Deus] é forte o suficiente para alegrar-se na monotonia. É possível que Deus diga a cada manhã para o Sol: “Faça novamente”; a cada noite, ele se volta para a Lua e diz: ‘Faça outra vez”. É possível que não seja uma necessidade automática que produza as margaridas iguais; pode ser que Deus crie todas as margaridas separadamente, mas ele nunca se cansa de fazê-las. É bem possível que ele tenha o eterno apetite da infância, pois nós pecamos e envelhecemos, e nosso Pai é mais jovem do que nós mesmos.”

G. K. Chesterton

Para ler o post original no Bacia das Almas, clique aqui