astromélias

 

* * *

Tão delicadas, elas me fazem companhia.  Aprendo com elas um amor feito de silêncio que é puro encantamento.  Olho, olho, olho… Quisera tudo fossem flores; quisera sempre amar assim. A meu lado, na mesa, elas seguem resolutas na fé de serem flores: astromélias; enquanto eu,  tão vacilante em face do mundo muitas vezes estranho à exuberante variedade da vida, tão duro, tão bruto, às vezes – tantas mais do que seria suportável supor – eu, ao lado delas, sigo, querendo alcançar essa certeza, essa fé, que está na flor, no sabiá, na própria chuva que nos acaricia, alimenta ou castiga, indiferente e cega, imprevisível.

O mundo indiferente e a vida cheia de fé – será isso?
“Tanta violência, tanta ternura”.
Valerá perder a vida para ganhar o mundo?
 “Munda cor meum ac lábia mea”.