a monotonia do carnaval

As mesmas músicas, as mesmas fantasias, a mesma alegria, feita dos mesmos gestos e intenções, da mesma deselegância bêbada, que confunde grosseria com espontaneidade. E cada vez mais blocos, que se multiplicam iguais, atravancando o trânsito, sujando as ruas e fazendo barulho, muito barulho. Como é triste o carnaval em sua nostalgia caricata de uma inocência idealizada e perdida para sempre.