ucrânia: primeiros acordes

UCRANIA_01

Quando se olha do alto um fluxo de água correndo ladeira abaixo sob a luz do sol, em algum momento a água parecerá inverter a direção e subir em vez de descer. Mais um pouco e ela parecerá subir e descer ao mesmo tempo, ou quase ao mesmo tempo, variando num piscar de olhos, dada a impossibilidade física de se ver o que o espirito intui: que, de fato, a água sobe e desce ao mesmo tempo, não como se fosse um fluxo correndo inexoravelmente de um ponto a outro, mas como uma via por onde é o próprio movimento quem trafega, incessante. Não como um raio, mas como uma ponte. E assim como é com a água, será com a luz, com o tempo, com tudo que pareça correr irremediavelmente para o fim, sem volta, quando, no entanto, sim…

* * *

Quando mergulhamos a folha de papel em branco que fora antes atravessada pela luz filtrada por antigos negativos, as imagens de um passado remoto saltam para os nossos olhos, como se o olhar tivesse esse poder mágico de atualizar as coisas, de fazê-las saltar do nada, instantes congelados em uma foto, em uma falta, a que a memória se encarrega de dar movimento e então quase podemos ouvir os aplausos, sentir o cheiro das roupas suadas, o gosto do suor dos corpos muito próximos, corpos vigorosos que correm, saltam em gestos delicados e magnificos, cheios de leveza e força, tradição de séculos e exuberância de jovens que em sua perfeição não parecem ter idade, como estatuas, como heróis, aos olhos do menino que nunca antes vira de perto algo tão fabuloso…

* * *

Ao contrário do que pretendia Heráclito, sempre estamos no mesmo rio, nunca chegamos a atravessá-lo, porque somos nós o rio  onde o tempo vai e vem, incessante e o mesmo…

* * *

Dizem os pesquisadores que memória e imaginação são processados na mesma região do cérebro.  De tal modo que um observador, contando apenas com o registro em tempo real de uma tomografia, não pode saber se o paciente lembra ou imagina.

* * *

O artista trafega todo o tempo no limiar entre memória e imaginação. Seu trabalho é misturar memórias suas e alheias e dar a elas sequências e desfechos distintos. A isso chamamos criação. O louco igualmente já não distingue memória e imaginação e a isso chamamos delirio. O limiar entre a arte e a loucura é impreciso.

* * *

Sempre é do tempo que se trata. Tempo que flui e reflui, hipotético ou vivido, já mal se pode distinguir de fato.

Aceitamos a imprecisão porque é da sanidade agarrar-se ao presente, à impressão imediata que nos vem pelos sentidos porque de fato é só isso que temos. Nosso realismo natural é compulsório e inclui sabermos que o presente está submetido ao tempo e passará como tudo mais inexoravelmente a caminho do esquecimento.

* * *

Nós chegamos a pensar que era a luz que atualizava os objetos revelando sua verdadeira essência de coisa finita.

Se é assim, o que a luz nos revela sobre o fluxo é que ele corre incessante em ambos os sentidos simultanemente e que, portanto ele é um pedaço de eternidade, indo e vindo, simultâneo a si mesmo,e nada dele escapa, nada se perde. O tempo é nossa substância: somos feitos de eternidade.

* * *

Quem sabe essa chuva que cai agora seja afinal a mesma água desde o inicio dos tempos e por todos os séculos e séculos…

A mesma água, as mesmas moléculas de hidrogênio e oxigênio subindo e descendo incessantes, correndo do alto das montanhas para o mar e daí para o céu para de novo descer como chuva e alimentar as nascentes e assim desde sempre…

E se assim fôssemos também, pedaços de eternidade que precisam viver sob a ilusão da morte, de uma duração que nos dá, nos oferece, nos obriga ao amor, à urgência do amor e da escolha?

Haveria amor se não houvesse a morte? Se nos soubéssemos eternos, amaríamos?