o nômade e o peregrino

Faz tempo me tornei uma figura paroquial. Preguiçoso sempre fui, preguiça que, com o tempo, degenerou  na acídia que agora a fé tenta converter em oração e contemplação genuína. Mas ainda o que se dá quase sempre é essa lassa mistura de ação e contemplação, que me leva a andar à esmo e sem pressa pelas ruas da paróquia, sempre as mesmas, com redobrada curiosidade. O viajante logo acostuma-se à novidade da paisagem sempre outra e seu olhar torna-se superficial. Quem é como eu, ao contrário, no conhecido à exaustão deve garimpar a novidade com olhar minucioso e terno.