O café do Café

A internet tornou possível o contato direto entre o autor e seus leitores, o que abriu caminho para uma forma de mecenato bem interessante porque baseada em quantias pequenas – e que podem ficar cada vez menores, variando na proporção inversa do número de pagantes: “quanto mais, menos”.

Minha meta é chegar a ter 200 leitores dispostos a pagar 10 reais por mês para manter meu trabalho de escritor. É suficiente.

Gente que de fato frequenta o site e usufrui do que escrevo. Gente que já aprendeu que tudo na vida tem um custo e que sente prazer em pagar pelo que lhe dá prazer. E que pode dispor de 10 reais por mês sem que isso lhe pese no bolso.

Não tenho dúvida que esse “mecenato mínimo” é o caminho natural da produção artística na internet. “Mais e melhores artistas” e muita produção em parceria e um público cada vez mais participativo.

Então é assim que quero o Café agora: meio café, aberto ao público, meio clube, fechado a uns poucos sócios.

Para começar, vou criar uma rede no Facebook para juntar os que concordam com a idéia de assinar o Café. Depois, veremos.