Revisão de textos e conteúdo

Eu gosto muito de fazer revisão de textos – ou como chamamos em jornal, copy desk.

Ainda que inclua a revisão ortográfica e gramatical, o foco da revisão que faço é o estilo e a consistência argumentativa. Ou seja, se o texto de fato diz com clareza e concisão aquilo que pretende dizer. É a última e definitiva revisão e a mais importante.

Porque chega um momento em toda criação literária (qualquer uma: de um slogan de campanha a uma tese de doutorado) em que o texto torna-se opaco aos olhos do criador e ele já não sabe se o que escreveu está bom ou ruim. Na verdade, sua opinião oscila de um extremo a outro. É nessa hora que entro eu. E minha maior satisfação é, ao fim da leitura, dizer: “Não mudei nada”.

Todo texto precisa desse leitor. Quem escreve sabe disso. Esse é o serviço que presto.

Resolvi chamar de consultoria de conteúdo a esse trabalho aplicado a sites simplesmente para dar a ele mais destaque. Porque de fato a qualidade dos textos na internet é um desastre.

É certo que um dos critérios para a avaliação da confiabilidade de um site é a qualidade que o leitor/consumidor atribui ao seu conteúdo. Erros de ortografia e gramática, falta de clareza, prolixidade, abuso de jargões técnicos, modismos (quem ainda suporta ler aquela bobajada: “objetivo, missão, etc, por exemplo?), falta ou excesso de originalidade são um caminho para o fracasso.

Gasta-se uma fortuna com “engenharia” e “arquitetura”, chega-se a um site visualmente bonito e funcional, e economiza-se na qualidade do conteúdo – que é, no fundo, o que interessa. Quando, na verdade, o preço desse tipo de revisão é acessível a todos, de um estudante universitário às voltas com um trabalho decisivo ao empresário inseguro com o conteúdo do site de sua empresa.