Há essa Lua imensa; há esse vento que dá uma falsa vida aos papéis que voam com súbita elegância sobre a mesa. Há o cheiro de alfazema barata, mas honestíssima, e o remoto latido de um cachorro . Pairo no ar  à altura do oitavo andar, mas posso me imaginar num vilarejo com esse burburinho de gente que modestamente se diverte numa sexta à noite. Há até o som das teclas de máquina de escrever que adicionei ao teclado. Há isso também: uma história que acrescenta brilho aos objetos – a uns mais, a outros, menos. Há, portanto, eu.

2 Comentários

  1. ‘esse vento que dá uma falsa vida aos papéis que voam com súbita elegância sobre a mesa’

    A definição da literatura.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.