Morellianas

“… ele descobrira que era preciso fracassar, pois sem fracasso não haveria salvação. E não poderia ser um fracasso sem esforço genuíno, o simples abandono de quem sequer tentara, mas o fracasso sofrido e humilhante, repetido obstinadamente até a exaustão física e moral, que o conduzisse à condição de pária, de desprezado, de esquecido. Só assim poderia provar da Graça, reconhecer sua completa gratuidade e imerecimento, e finalmente sentir-se grato.”