E o Espírito de Deus pairava sobre as águas

“E o Espirito de Deus pairava sobre as águas…”

São 4:30 da manhã. O Espirito de Deus paira sobre o silêncio e logo se fará Luz. Paira sobre a vida imersa nas profundezas de um sono sem sonhos, reparador e imemorial nada, as trevas que a Luz iminente tornará o solo fértil da imaginação que nos anima: que surpresas o novo dia guarda a cada um que agora dorme?

“Enviai, Senhor o Vosso Espirito e tudo será recriado. E renovareis a face da Terra.”

* * *

Fez-se a Luz já e os biguás e fragatas começam a acariciar o ar com sua caligrafia: leio-os? Nem sei, mas lhes atribuo a brisa inesperadamente fresca que me envolve num abraço de anjo. É verão, e um abraço desses não é pouca coisa – só quem é carioca sabe. Não importa. Por dentro exulto e escrevo como se rezasse apenas para evitar que eu mesmo voe. Sabe-se lá o que diriam meus vizinhos…