que injustiça!

A Espanha toma um desses “gols espíritas”, em que o zagueiro espanhol foi derrubado por um involuntário “rabo de arraia suiço”  que  lhe cortou o supercílio. O rara na verdade tomou um tropeção e girou no ar do jeito mais improvável do mundo. Resultado: ele derruba sem querer o zagueiro espanhol e a bola sobra para uma dessas maravilhas geopolíticas-socio-antropológicas das Copas do Mundo: um suíço preto! Caboverdense, pelo que entendi, naturalizado. Gol da Suiça.

Agora vamos ver… Até agora, a Espanha é a melhor seleção que EU VI (não via a Alemanha). Pois é… Os deuses olímpicos se divertem produzindo essas ironias.

exemplo bem didático

A Espanha tem meio-campo. Iniesta, o excelente Iniesta, organiza, defende, ataca, direita, esquerda.

Então o que acontece? As jogadas começam PELO MEIO por onde avança um meia que, na intermediária adversária, distribui o jogo ou para a esquerda ou para a direita, ou segue pelo meio.

O que acontecia ontem com o Brasil? O Maicon pegava a bola no meio e corria… em diagonal para a direita!